top of page

1985, o filme

Muitos artigos foram escritos sobre o filme “Argentina 1985” que concorria ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, e que foi um dos favoritos em concurso na 79° Festival de Cinema de Veneza em 2022, no seu 90° aniversário (1932-2022).

Esse é um texto do que senti vendo o filme, está escrito na minha pele, na minha alma.

Chorei, tremi, me arrepiei, ali naquelas situações estava aquela menina de 22 anos que deixou o Brasil em 1978 por causa da ditadura militar. Lembrei também daquela garotinha de 12 anos em 1968, com medo de agressões dos militares à cavalo, aos estudantes no centro de SP, que jogou um saco de bolinhas de gude para impedir a agressão dos militares, que tinham gestos tipicamente fascistas, “paternais”, tiravam os cintos de couro e batiam nos estudantes, espirravam jatos fortes de água com tinta vermelha nos estudantes para “marcá-los” e poder acertar cacetadas e golpes mais eficazmente.

Por quê? Para que nos agrediam?

Crescemos com a sombra terrível da ditadura nas esquinas sociais.

"...o sadismo não é uma ideologia política, nem uma estratégia de guerra, mas uma perversão moral". Esta é uma das frases que o filme extraiu das palavras citadas em julgamento (Buenos Aires) por Julio César Strassera  (†2015), então promotor do Julgamento das Juntas Militares, da Secretaria Nacional de Direitos Humanos e Pluralismo Cultural. Já no final do filme, às lágrimas de pelo menos 50% do público de Veneza, o gran-finale cita “Quero usar uma frase que não me pertence mais porque ela pertence a todo o povo argentino: Senhores Juízes, NUNCA MAIS!”

Ditadura nunca mais, desaparecidos, torturas, descasos, NUNCA MAIS. Nunca mais até quando? Nós, no Brasil, demos anistia aos militares, e não pagaram suas culpas pelas atrocidades cometidas. O julgamento de 1985 foi uma lição fundamental para a sociedade.

O filme mexeu muito comigo, pois estava coincidindo com o momento histórico que estávamos vivendo no Brasil, e um certo medo que vinha sentindo pelas eleições (Lula x Bolsonaro). Recentemente a extrema direita venceu as eleições na Argentina e o mesmo arrepio de medo de injustiças e agressões volta à tona.

No filme de Santiago Mitre e na Argentina real daqueles anos, quem ajudou a levantar essa mola de partida para a democracia foram os jovens, unidos, brilhantes, fortes. Na América do Sul, se nós acatássemos nossas características originais, de multiplicidade cultural e de todas as raças que nos compõem, que nos fazem lindos, lindamente híbridos, se fosse efetiva a utópica luta para diminuir a extrema desigualdade de classe, de raça, de gênero, sem ódio, sem fomentar a raiva dos que são pobres e não têm o que comer, nós poderíamos mudar ou pelo menos tentar um vero crescer como continente, abusando da criatividade que nos compete.

“Gente é pra brilhar, não pra morrer de fome”, como diz Caetano Veloso numa das suas pérolas musicais.

Filme é pra ser visto no cinema e esse, eu aplaudi de pé.

 

Genero: Drammatico Anno:2022

Direção: Santiago Mitre

País: :Argentina, USA

Duração: 140 min

Fotografia:Javier Julia

Musica: Pedro Osuna

Produção: La Unión de los Ríos, Kenya Films, Infinity Hill

 

0 views0 comments

Recent Posts

See All

Biography

Born in São Paulo, a descendant from a family of Italian migrant musicians: her grandfather was a conductor and her father a saxophonist, young Lica began her career in Europe. Through an intense set

bottom of page